Ame algo mais elevado, algo maior, algo no qual você se perderá e que não possa controlar; você pode ser possuído por ele, mas não pode possuí-lo. Então o ego desaparece, e, quando o amor não tiver ego, ele será prece. Osho
Photobucket Apenas um raio de sol é suficiente para afastar várias sombras. São Francisco de Assis

segunda-feira, 20 de junho de 2011




REGENERAÇÃO

- Por Wagner Borges -


Houve um tempo em que fomos iniciados nas artes do espírito
Penetramos nas brumas dos mistérios e levantamos o véu das ilusões
Ficamos frente a frente com a Luz!
E descobrimos o mistério de nós mesmos.
O olho espiritual devassou os Planos Invisíveis e nos mostrou a Luz Perene
Foi-nos revelada a Sabedoria Arcana, e Ela era puro amor sereno
Em sua presença solene, nossas posturas equivocadas e nossas emoções
Enferrujadas morreram... Dissolvidas na Luz
Despojados de nossa antiga arrogância, renascemos... Dourados de Amor
Sereno!
O ferro sujo (o Eu antigo, medroso e tristonho) se dissolveu...
E, em seu lugar, surgiu o Ser Dourado (O Novo Homem) renascido das entranhas
De si mesmo e iniciado na Consciência Universal.
Expostos à Luz Suprema, nus, em Espírito e Verdade, juramos seguir os
desígnios Superiores de Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
Sim, houve um tempo em que fomos iniciados juntos, em Espírito e Verdade.
Porém, não conseguimos aplicar na vida e em nossas relações com os outros,
Aquilo que a Luz nos ensinou.
Permitimos que o nosso discernimento fosse engolfado pelas emoções pesadas e
Por energias mesquinhas.
Gradativamente, sob o domínio das ilusões, fomos enferrujando novamente.
Então, os nossos ideais espirituais foram manchados pelo sangue de nossas
Espadas.
A senda iniciática, que tanto prezávamos, foi inundada de sangue e
Violentada pelos nossos atos violentos e sem méritos.
Lentamente, essa Luz foi sumindo dentro de nossas emoções violentas.
Felizmente, a Justiça Cósmica nos prendeu inexoravelmente em sua imensa teia
cármica.
Sob sua ação depurativa, a dor se fez presente em nossos caminhos.
Acicatados pelos desenganos e posturas equivocadas, lambemos nossas feridas
E choramos a dor da queda no profano.
Na verdade, profanamos a nós mesmos e pisamos em cima de nossos ideais,
Cheios de empáfia e de falsa glória.